domingo, 9 de julho de 2017

RESISTIR

O conceito de desejo, no pensamento de Gilles Deleuze e Félix Guattari, é imediatamente prático e, daí, político. É que ele se confronta com as linhas do poder, visíveis ou não. Esta é a grande e insuperável diferença teórica em relação ao pensamento de Freud, Jung, Lacan, e outros menos ilustres. Daí, não há como desejar sem respirar o "ar do social". Desejar é produzir. Mesmo em tempos subjetivos considerados intimistas, "interiores", há sempre o social  como multiplicidade coletiva entranhada, imiscuida, inserida nos corpos. Isso é real, este é o real. Seu efeito mais direto é (ou deveria ser) uma inserção ético-estética na experiência do mundo, resistência (indomável) ao Poder.


A.M.

Nenhum comentário:

Postar um comentário