quinta-feira, 19 de outubro de 2017

PERSONAGENS CONCEITUAIS

Numa psiquiatria da diferença, é possível trabalhar com personagens conceituais. Entre eles,  a criança, o artista e o louco A criança, pela leveza, alegria e ausência de ressentimento. O artista, pela criação de territórios existenciais que valem por si mesmos.O louco, pelo não-lugar "preenchido" pelo delírio e a tudo que ele  remete. Resumindo, há uma criança que escapa a infantilidade outorgada pelo adulto. Um artista que escapa do clichê da arte-monumento e/ou mercantil. Por fim, um louco com um delírio não  formatado pelas instâncias do poder médico.


A.M.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Seu mundo não lhes permitia aceitar as coisas naturalmente, não os deixava ser sãos de espírito, virtuosos, felizes. Com suas mães e seus amantes; com suas proibições, para os quais não estavam condicionados; com suas tentações e seus remorsos solitários; com todas as suas doenças e intermináveis dores que os isolavam; com suas incertezas e sua pobreza - eram forçados a sentir as coisas intensamente. E, sentindo-as intensamente (intensamente e, além disso, em solidão, no isolamento irremediavelmente individual), como poderiam ter estabilidade?

Aldous Huxley

Baiana, por Emicida

BANALIDADE DO MAL

O governo de Michel Temer baixou portaria para dificultar a punição do trabalho escravo no país. Pense nisso sem pensar no resto. Esqueça a crise econômica e a  crise moral. Pense só nisso. O trabalho análogo à escravidão, cuja existência em pleno século 21 já era um escândalo, virou um escárnio. Temer atende a uma exigência da bancada ruralista, que ameaçava votar a favor da denúncia contra o presidente na Câmara.

A pretexto de salvar o que lhe resta de mandato, Temer desdenha da posteridade para, conscientemente, criar embaraços para os fiscais do trabalho escravo. É como se o presidente da República, para preservar o próprio pescoço, se tornasse escravo dos interesses mais mesquinhos. O governo alcançou o estágio da banalidade do mal. Assume sua vilania, sua crueldade gratuita, com hedionda naturalidade.

Experimente colocar a portaria que cria embaraços à fiscalização do trabalho escravo nas suas circunstâncias. Pense na reunião em que o presidente discutiu com seus auxiliares o atendimento às demandas dos deputados ruralistas. Não ocorreu a ninguém dizer ‘quem sabe no combate ao trabalho escravo a gente não mexe!’ Ou ‘vamos oferecer mais cargos e emendas para essa gente’. Nada disso. Não ocorreu a ninguém dizer ‘gente, trabalho escravo pode pegar mal’. O mais trágico não é nem a crueldade. A tragédia está na percepção de que, para salvar Temer, até a sensibilidade humana foi levada ao balcão.


Do Blog do Josias de Souza, 17/102017, 00:11 hs

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Tornei-me insano, com longos intervalos de uma horrível sanidade.

Edgar Allan Poe

EMICIDA - Baiana


Que importa àquele a quem já nada importa que um perca e outro vença .. se a aurora raia sempre ... se cada ano com a Primavera as folhas aparecem ... e com o Outono cessam? E o resto, as outras coisas que os humanos acrescentam à vida, que me aumentam na alma? Sim, sei bem que nunca serei alguém. Sei, enfim, que nunca saberei de mim. Sim, mas agora, enquanto dura esta hora, este luar, estes ramos, esta paz em que estamos .. deixem-me crer o que nunca poderei ser. Ser um é cadeia, ser eu é não ser. Viverei fugindo mas vivo a valer. O mistério do mundo, o íntimo, horroroso, desolado, verdadeiro mistério da existência, consiste em haver esse mistério. Quanto mais fundamente penso, mais profundamente me descompreendo. Só a inocência e a ignorância são felizes, mas não o sabem. São ou não? Que é ser sem o saber? Ser, como a pedra, um lugar, nada mais. Quanto mais claro vejo em mim, mais escuro é o que vejo. Quanto mais compreendo menos me sinto compreendido.

Fernando Pessoa

domingo, 15 de outubro de 2017

BIOQUIMISMOS

É claro  que há uma bioquímica da esquizofrenia, como há uma bioquímica do amor, da inveja, da violência, do ódio, do ressentimento,do cinismo, da alegria, da saudade, etc...


A.M.
GOIÂNIA QUENTE

Os termômetros de Goiânia marcaram 39,2°C no sábado (14), que foi, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o dia mais quente do ano, com a segunda temperatura mais alta registrada na história da capital. Segundo o órgão, a situação é de alerta em todo o estado, devido a umidade relativa do ar, que pode cair a 15% neste domingo (15).
O dia mais quente da história de Goiânia foi 15 de outubro de 2015, quando os termômetros marcaram 39,6°C, com umidade do ar em 11%, e, segundo o Inmet, foi registrada a temperatura máxima absoluta na cidade.
(...)

Murilo Velasco, G1 GO,15/102017, 11:58 hs
Tragédia brasileira


Misael, funcionário da Fazenda, com 63 anos de idade,

Conheceu Maria Elvira na Lapa, – prostituída, com sífilis, dermite nos dedos, uma aliança empenhada e o dentes em petição de miséria.

Misael tirou Maria Elvira da vida, instalou-a num sobrado no Estácio, pagou médico, dentista, manicura… Dava tudo quanto ela queria.

Quando Maria Elvira se apanhou de boca bonita, arranjou logo um namorado.

Misael não queria escândalo. Podia dar uma surra, um tiro, uma facada. Não fez nada disso: mudou de casa.

Viveram três anos assim.

Toda vez que Maria Elvira arranjava namorado, Misael mudava de casa.

Os amantes moraram no Estácio, Rocha, Catete, Rua General Pedra, Olaria, Ramos, Bonsucesso, Vila Isabel, Rua Marquês de Sapucaí, Niterói, Encantado, Rua Clapp, outra vez no Estácio, Todos os Santos, Catumbi, Lavradio, Boca do Mato, Inválidos…

Por fim na Rua da Constituição, onde Misael, privado de sentidos e de
inteligência, matou-a com seis tiros, e a polícia foi encontrá-la caída em decúbito dorsal, vestida de organdi azul.



Manuel Bandeira 

JEREMY MANN


SEXO E PODER

Não sei se é preciso ser mulher para se enojar com os relatos das atrizes de Hollywood sobre os métodos de seleção do poderoso produtor de cinema Harvey Weinstein, bilionário aos 65 anos. Ao ler em detalhe os depoimentos das vítimas de Weinstein, todas no viço dos 20 anos quando foram atacadas pelo predador sexual grande e forte, pensei: quando chegará o momento de desmascarar os tarados poderosos no Brasil? Por enquanto, só quem ejacula em ônibus acaba preso.
(...)

Ruth de Aquino, Época,13/10/2017, 16:00 hs